|

Lia, mulher que é uma ilha

Patrimônio vivo e cultural de Pernambuco, Maria Madalena Correia do Nascimento, a Lia de Itamaracá, está de volta a Curitiba mostrando sua verve de compositora e cantora de ciranda. Ela sai de sua terra para uma série de shows com repertório do CD Ciranda de Ritmos. Esteve pela Europa e encerra a turnê com a plateia curitibana.

No palco, clássicos do gênero – Essa Ciranda quem me deu foi Lia (Antônio Baracho), Cirandando pela praia (Carlos Zens) e Suíte do Pescador (Dorival Caymmi), entre outros – na voz da cirandeira, acompanhada por Toinho (tarol), Bibil (trompete), Bio Negão (trombone), Tom Jaime (saxofone), Tony Boy (surdo, alfaia e pandeiro), Biu Baracho (vocal), Dona Dulce (vocal) e Ganga (ganzá, alfaia e padeiro).

O disco é de 2008, com direção musical de Carlos Zens. Reúne ciranda, coco, maracatu, frevo e maxixe. O conceito do trabalho teve inspiração no músico saxofonista e compositor Bezerra do Sax, que tocou com Lia durante 40 anos. Ele é autor de seis das 14 canções do disco.

Lia já levou esse espetáculo por quase todo o Brasil e por três vezes à Europa. Após a temporada no Rio de Janeiro, o show também aconteceu, em julho, em Brasília e termina neste fim de semana.

Itamaracá é uma ilha de Pernambuco, onde Lia nasceu e vive até hoje. Seu nome foi ficando conhecido a partir de fins dos anos 60. Em 2004, recebeu a Ordem do Mérito Cultural, premiação concedida pelo Ministério da Cultura a personalidades brasileiras e estrangeiras, que são reconhecidas por suas contribuições à cultura do Brasil.

Imperdível: no Teatro da Caixa Cultural (Rua Conselheiro Laurindo, 280), nesta sexta dia 11 e sábado às 20h e no domingo às 19h. Ingressos a 20 e 10 reais. Classificação livre.

Comente!

Spam Protection by WP-SpamFree

Premium WordPress Themes